Morre mais uma criança chegando a 11 vítimas do ataque à creche em Minas Gerais

A tragédia do dia 5 chocou a cidade mineira
Tiago Queiroz/06.10.2017/Estadão Conteúdo

O menino Matheus Felipe Rocha Santos, de cinco anos, que estava internado no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, morreu na manhã desta segunda-feira (9). 
Matheus é a nona criança que morreu no ataque da última quinta (5) promovido por Damião Soares dos Santos, de 50 anos, vigia da creche Gente Inocente, em Janaúba, norte de Minas Gerais.
A professora Heley de Abreu Silva Batista, de 43 anos, que mesmo com o corpo em chamas resgatou várias crianças, também morreu.
Outras 23 vítimas ainda estão internadas em hospitais de Montes Claros e Belo Horizonte. Uma funcionária e um morador de Janaúba, que ajudaram no resgate às vítimas do incêndio, foram internados nesse domingo (8), no hospital da cidade, por inalação de gases.
Os pacientes foram identificados como Valéria Aparecida Borges, de 28 anos, que trabalhava na creche, e Elton Batista de Oliveira, 50 anos, morador do bairro em que ficava a escola. Eles estão no Centro de Terapia Intensiva (CTI), mas com previsão de serem transferidas para quartos ainda nesta segunda-feira (9), segundo a assistente social Dayane Durães, que trabalha no hospital.
Segundo boletim médico divulgado para a imprensa na tarde de domingo (8), a Santa Casa de Montes Claros ainda conta com nove pacientes. Todos sem previsão de alta. Sete deles estão estáveis, sendo seis crianças e uma senhora de 51 anos. Uma criança de quatro anos e uma jovem de 23 estão em estado mais grave e respiram com a ajuda de aparelhos.
O HUCF (Hospital Universitário Clemente de Faria), em Montes Claros, informou na tarde de ontem que apenas uma criança de três anos permanece internada no local. O estado de saúde é grave e ela respira com ajuda de aparelhos.
As outras vítimas do ataque estão internadas em hospitais de Belo Horizonte. Três crianças estão no Hospital Municipal Odilon Behrens. De acordo com a assessoria de imprensa, o estado de saúde delas segue grave, porém estável.
No Hospital João XXIII, estão internadas outras sete crianças e mais dois adultos. Dentre eles, apesar do estado grave, duas crianças já estão respirando sem ajuda de aparelhos. Os demais seguem em estado mais grave. Outras duas crianças continuam internadas no Hospital Infantil João Paulo II, com quadro estável.
Entre quinta-feira (5), dia em que o vigia espalhou um líquido inflamável sobre as crianças, e sábado (7), oito crianças e uma professora, além do agressor, já tinham morrido.

Conteúdo R7

TV Portal