Pedra Branca - Voluntários vão ao lixão entregar vale cesta a catadores e se emocionam com a situação

Em cenas vistas somente em reportagens especiais de emissoras de TV, realizadas em grandes centros urbanos deste país, uma equipe de v...

Suspensa liminar que proibia 28ª Vaquejada de Quixeramobim


O desembargador Paulo Airton Albuquerque Filho, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), suspendeu, nesta quarta-feira (06/09), a liminar que havia proibido a realização da 28ª Vaquejada no município de Quixeramobim. Com a medida, o evento, previsto para ocorrer nos dias 7, 8 e 9 de setembro, poderá acontecer normalmente.
De acordo com os autos, o Ministério Público do Ceará (MPCE) ajuizou ação civil pública para que os organizadores da vaquejada se abstenham de autorizar, apoiar, patrocinar e realizar qualquer ato que importe ou contribua com a realização da vaquejada ou outro acontecimento semelhante que envolva maus-tratos e crueldade aos animais.
O Juízo da 1ª Vara da Comarca de Quixeramobim deferiu a liminar, no último dia 28 de agosto, suspendendo o evento. Em caso de descumprimento, fixou multa diária de R$ 100 mil, além da apreensão dos instrumentos utilizados e dos respectivos animais.
Para reformar a decisão, os organizadores interpuseram agravo de instrumento (nº 0627071-90.2017.8.06.0000) no TJCE. Alegaram inexistência de crueldade e de maus-tratos aos animais durante as competições, bem como da sua relevância econômica e cultural para o país. Também sustentaram que há preocupação voltada para a preservação dos animais envolvidos.
Ao apreciar o recurso, o desembargador Paulo Airton concedeu o pedido. No voto, explica que “o evento está credenciado pela Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ) que, por sua vez, estabelece, no Regulamento Geral da Vaquejada, as regras para a realização da competição, de observância pelos promotores do evento, competidores, profissionais de trabalho, equipe de apoio e demais envolvidos na realização da prova, havendo prova de que foram adotadas providências pelo organizador do evento para mitigar a ocorrência de maus-tratos e de crueldade com os animais envolvidos”.
Além disso, o magistrado entendeu que “o risco de dano grave, de difícil ou impossível reparação é evidente na medida em que o evento está programado para se realizar a partir do dia 7 de setembro de 2017, amanhã”.
Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça do Ceará

TV Portal