TV Portal

Click e Ouça a FM Opção de Pedra Branca

25 cidades brasileiras estão entre as mais violentas do Mundo, duas são do Ceará

25 cidades brasileiras estão entre as mais violentas do mundo, duas são cearenses (FOTO: Dorian Girão/ TV Jangadeiro)
 Uma pesquisa realizada pela revista The Economist junto ao Instituto Igarapé indicou que duas das 50 cidades com mais homicídios do mundo estão no Ceará: Juazeiro do Norte e Caucaia. O estudo, divulgado em março de 2017, buscou identificar as regiões com maior índice de violência no mundo e alertar para uma necessidade de redução dessas taxas.
Juazeiro do Norte, na região do Cariri, é a 37ª cidade mais violenta do mundo. O município cearense tem taxa de 47,4 homicídios por 100 mil habitantes. Já Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, aparece na 21º posição no ranking, com o índice de 58,8 por 100 mil habitantes. Segundo a revista, conflitos entre quadrilhas, corrupção e instituições públicas frágeis são os principais fatores que contribuem para os altos níveis de violência não só no Brasil, como em toda a América Latina.
O estudo apontou também que 25 das cidades mais violentas estão no Brasil: Jaboatão dos Guararapes/PE; João Pessoa/PB; Cuiabá/MT; Canoas/RS; Porto Alegre/RS; Juazeiro do Norte/CE; Vitória da Conquista/BA; Natal/RN; Cariacica/ES; Betim/MG; Maceió/RN; Camaçari/BA; Manaus/AM; Imperatriz/MA ; Aracaju/SE; Caucaia/CE; Aparecida de Goiânia/GO; Mossoró/RN; Belém/PA; Viamão/RS; Caruaru/PE; Serra/ES; Ananindeua/PA; Grande São Luís/MA e Marabá/PA.
Como consequência da pesquisa, o Instituto Igarapé lançou a campanha “Instinto de Vida“, além de uma série de artigos, para reduzir os homicídios na América Latina em 50% nos próximos 10 anos, durante a Conferência Regional do Fórum Econômico Mundial, em abril.
A campanha recebe o apoio da Organização dos Estados Americanos (OEA), do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), da Fundação Open Society (OSF) e é realizada em parceria com 30 outras organizações não-governamentais da região.
Conteúdo: Tribuna do Ceará