Pedra Branca - Voluntários vão ao lixão entregar vale cesta a catadores e se emocionam com a situação

Em cenas vistas somente em reportagens especiais de emissoras de TV, realizadas em grandes centros urbanos deste país, uma equipe de v...

Só nos 22 primeiros dias de 2017 já caíram mais de 6 mil raios no Ceará, os Inhamuns aparece com maior incidência





Chuva no Ceará costuma ser sinônimo de alívio nas temperaturas e esperança de abastecimento dos reservatórios hídricos. Contudo, ela também pode trazer perigos: de janeiro a dezembro de 2016, a Rede Brasileira de Detecção de Descargas Atmosféricas registrou 70 mil raios nuvem-solo no Estado, média de 190 por dia. Segundo levantamento do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Elat/Inpe), o Ceará é o 4º do Nordeste e 19º no ranking de incidência geral dos estados brasileiros.
Na região, o Ceará aparece atrás apenas de Bahia, Maranhão e Piauí. Só nos primeiros 22 dias de 2017, as nuvens carregadas levaram à queda de 6.167 raios no Estado, conforme a Enel Distribuição Ceará. O número é quatro vezes maior se comparado ao mesmo período do ano passado. No último fim de semana, domingo (22) foi o dia com a maior ocorrência de descargas, registrando 301 raios.
Em 2017, Parambu, no Sertão dos Inhamuns, foi o município com maior incidência de raios, registrando 584, seguido de Granja, com 454, e Tauá, com 274. No ano passado, Granja havia sido a cidade cearense com a maior incidência: ao todo, foram 1.291 casos; em seguida, vieram Santa Quitéria, com 946, e Sobral, com 941. Contudo, segundo o Elat, embora o volume de raios seja alto, o Nordeste está localizado numa área de menor incidência. São as unidades do Sudeste e principalmente do Sul que concentram a maior densidade de raios do País, com Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul acumulando as ocorrências mais expressivas.
Conforme o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Davi Ferran, os raios se formam em nuvens conhecidas como cumulonimbus, que são mais densas, escuras e de grande altitude. Segundo a Climatempo Meteorologia, esse tipo de nuvem pode se formar em qualquer época do ano, mas os dias quentes e úmidos, típicos do verão, iniciado no dia 21 de dezembro, são os ideais para o desenvolvimento delas.
"Nas cumulonimbus, há presença de cristais de gelo que realizam uma grande movimentação junto às gotículas de água. Essa movimentação começa a formar diferenças de potencial elétrico entre as partes da nuvem e, eventualmente, ocorre uma descarga", explica o especialista. O Corpo de Bombeiros do Ceará informa que, com intensidade típica de 30 mil ampères, os raios podem causar danos ao meio ambiente e ao patrimônio, lesões físicas e até mesmo a morte.
Queimaduras
O órgão alerta que as vítimas podem sofrer queimaduras, ferimentos graves e paradas cardíacas ou cardiopulmonares, ainda que, na maioria das vezes, elas sejam atingidas por correntes elétricas indiretas. Devido à imprevisibilidade do fenômeno, o órgão sugere a adoção de medidas que podem salvar as vítimas, como o início imediato da massagem cardiorrespiratória.
O Elat estima que, em média, 111 mortes por raios ocorrem no Brasil a cada ano, e é justamente o verão a época de maior incidência do fenômeno. No Ceará, o grupo informa que ocorreu uma morte por raio em Santana do Acaraú, em 2016 e, em 2017, uma em Caririaçu.
Para se precaver dos perigos durante tempestade, o grupo indica ser importante buscar veículos fechados, moradias com proteção contra raios ou abrigos subterrâneos, tais como metrôs ou túneis. Já a Enel explica que o monitoramento dos raios busca orientar as equipes de manutenção da empresa no Estado sobre danos provocados na rede elétrica. 

TV Portal